quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Carta de António Costa aos portugueses

Caras e Caros Amigos,
Votar é escolher.
No próximo dia 4 de outubro vamos fazer uma opção determinante para o nosso futuro.
Acreditamos nos portugueses. Não nos resignamos, sabemos que é possível fazer diferente e fazer melhor.
Mas para isso precisamos de um governo que saiba fazer diferente e fazer melhor. Só o PS preparou esse caminho, uma alternativa de confiança, estudada, prudente, realista, mas que aposta nos portugueses.
A coligação de direita não cumpriu as suas promessas nem atingiu os seus objetivos. Para que serviram os sacrifícios dos portugueses? Mais impostos, menos economia, menos emprego e emprego mais precário, mais pobreza, cortes nas pensões e nos salários – e mesmo assim aumentou a dívida e o défice continua descontrolado.

A estratégia da direita foi a de empobrecer os portugueses como via para resolver os problemas do país, mas essa estratégia falhou.
Portugal precisa de finanças públicas sãs e de crescimento económico, mas nenhum país se desenvolve sustentavelmente empobrecendo. A direita escondeu os problemas, mas não os resolveu. Por isso, mais 4 anos de governo da direita trarão o regresso das mesmas políticas. Foi isso, aliás, que já prometeram em Bruxelas e ocultam aos portugueses.
Escolhemos outro caminho: valorizar os nossos recursos. O conhecimento e a inovação serão a chave do desenvolvimento. Dar às pessoas condições para realizarem em Portugal os seus projetos de vida. Dar às empresas condições para criarem mais emprego, estável e de qualidade. O trabalho das pessoas e a iniciativa das empresas é que geram a riqueza para termos finanças públicas sãs.
Cortar não é poupar. Acreditamos que melhor Estado também é necessário a um desenvolvimento do país que beneficie todos os portugueses. Depois de ter privatizado sectores estratégicos da economia, a direita prepara-se para privatizar serviços públicos essenciais. Nós, pelo contrário, acreditamos na importância da segurança social pública, do Serviço Nacional de Saúde e da escola pública. Estes e outros serviços públicos não só têm de ser preservados, mas melhorados com base em ganhos de eficiência. Já provei no passado, como ministro responsável pelo programa Simplex, que é possível prestar melhor serviço com menos recursos.
Os portugueses sabem, pelo meu passado em funções públicas, que cumpro os compromissos que assumo. Fui eleito em Lisboa sempre com mais votos a cada eleição, porque, no momento de governar, fiz sempre mais do que tinha prometido. Preciso do seu voto para fazer o mesmo no governo de Portugal.

Um abraço muito afetuoso do


António Costa

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

O PS não está fechado nas suas fronteiras

«O Partido Socialista “não está fechado nas suas fronteiras e não está fechado na sua casa” afirmou ontem António Costa. O líder socialista falava perante os muitos milhares que acorreram ao grande comício realizado na cidade do Porto e que contou com as presenças do arquiteto Nuno Portas, pai do vice-primeiro-ministro, e de Fernando Aguiar-Branco, pai do ministro da Defesa.
“O PS tem a vontade de mobilizar os portugueses e todos unir em torno de bandeiras básicas e fundamentais, em primeiro lugar a recuperação da nossa autoestima, que foi abocanhada pelo Governo nestes últimos quatro anos” declarou Costa destacando o radicalismo das lideranças do PSD e CDS que os afasta dos valores humanistas que estiveram presentes na fundação dos respetivos partidos. “Por essa razão, muitos democratas-cristãos apoiam hoje o PS”, acrescentou.
“O PS soube avaliar o seu passado e soube também renovar. Orgulha-se de poder contar hoje com todos os socialistas, com aqueles que são os melhores de entre nós, como o António Vitorino, que nunca dirá não a servir Portugal num momento como o de hoje”, acrescentou ainda o Secretário-Geral do Partido Socialista.»
(www.costa2015.pt)

domingo, 27 de setembro de 2015

Aguiar da Beira assistiu à fuga das freiras

Na noite de 26 de setembro teve lugar no largo dos monumentos, em Aguiar da Beira, a exibição da peça de teatro "a fuga das freiras", um grande evento de rua, um teatro comunitário, de assinalável êxito, iniciativa da Câmara Municipal.
A conceção e encenação esteve por conta do grupo Acert-Trigo Limpo que "recrutou" os atores, figurantes e músicos no concelho, num conceito de envolvimento da comunidade e onde durante algum tempo foi desenvolvendo uma grande trabalho de formação e de aprofundamento das técnicas e artes dramatúrgicas junto dos participantes.
O local, largo dos monumentos, foi, em tudo, adequado ao espetáculo que se baseou em cenas dos rituais e das festividades cristãs, mas também de divertimento popular, quermesses e bailes, centrando-se em torno da Nossa Senhora da Lapa e das freiras recriando um ataque dos mouros ao convento o que implicou a fuga das freiras, não sem antes terem protegido a santa da sua devoção.
O público compareceu em elevado número, esgotando todos os lugares sentados disponíveis e ainda enchendo, por completo, todo o espaço envolvente.

sábado, 26 de setembro de 2015

Moimenta da Beira: Inauguração da Expodemo

Teve lugar ao final da tarde do dia 25 de setembro a inauguração da Expodemo, uma feira de atividades económicas e sociais promovida pela Câmara Municipal de Moimenta da Beira e que se prolonga até ao dia 27.
Lá estive a convite do presidente da Câmara, José Eduardo Ferreira.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Educação: António Costa garante eliminação da PAAC

Foto: PS Aveiro
«António Costa afirmou no dia 23 de setembro, em Oliveira de Azeméis, a intenção de eliminar a prova de acesso à carreira docente. “A prova de acesso à carreira docente será eliminada”, assegurou o secretário-geral socialista, em resposta a uma das muitas perguntas formuladas num debate que contou com a participação de professores e funcionários educativos.
É essencial “retomar o diálogo com as escolas”, continuou Costa. Num exercício de autocrítica o líder dos socialistas notou que “não é possível fazer reformas sem mobilizar os agentes educativos”. “É preciso deixar a escola respirar e investir nos agentes educativos. Aprendemos com a realidade”, reforçou.
António Costa criticou, também, as sucessivas descontinuidades que são introduzidas no sistema educativo sempre que há uma mudança de Governo, contrapondo que, com o PS, “não regressará tudo à estaca zero”. Assim, o secretário-geral do PS defendeu a necessidade de conferir “estabilidade” ao corpo docente, sobretudo nos processos anuais de colocação de professores.»
(www.costa2015.pt)

CIM Viseu Dão Lafões: Os fundos do pacto de desenvolvimento e coesão territorial

Estive no dia 23 de setembro, à tarde, na reunião do conselho estratégico da Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões que decorreu no auditório da Câmara Municipal de Mangualde.
Foram apresentados os valores do pacto para as prioridades de investimento no território.
Nas diversas prioridades a dotação global do pacto para o desenvolvimento e coesão territorial da CIM é de cerca de 39 M de euros... na generalidade para obras da esfera da administração central.
É lamentável que o governo se tenha "apropriado" das verbas locais para obras e áreas de intervenção que estão legal e constitucionalmente na sua esfera de ação.
Com certeza que as autarquias não querem deixar de colaborar no desenvolvimento dos seus territórios... mas será que teria que ser desta forma tão unilateral e leonina?

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Grande jornada de António Costa no distrito de Viseu

Grande jornada de António Costa no distrito de Viseu:
i) Grande arruada pela rua Direita em Viseu seguida de almoço com militantes e simpatizantes.
ii) Visita a C.Sal (Euroralex)
iii) Visita a S.C.Dão (praça do município, heliporto...).
iv) Grande comício no pavilhão do Inatel em Viseu.

Coligação não percebe diferença entre cortar e poupar
“Têm uma tal obsessão de cortarem tudo aos portugueses que não percebem que há uma diferença entre cortar e poupar” afirmou hoje António Costa num almoço-comício em Viseu. “Cortar é tirar o que cada um recebe e tem direito a receber, poupar é deixar de gastar porque deixou de ser necessária essa despesa”.
O líder dos socialistas esclareceu assim a tentativa da coligação de confundir os portugueses. “Está a receber salário e vai receber subsídio? Não é cortar, é poupar através de uma política correta que visou a criação de emprego, permitiu a criação de emprego e a pessoa ter um rendimento com base no salário e não com base no subsídio”, reforçou.
Ao contrário da direita, o PS não confunde “o que é poupar recursos com o que é cortar prestações. Cortar prestações foi o que eles fizeram: fizeram-no aos 70 mil idosos que beneficiavam de complemento solidário para idosos e que eles cortaram tirando-lhes uma prestação que era absolutamente essencial para poderem viver com dignidade”.
Costa notou ainda a tentativa da direita de confundir os portugueses com “truques”: “Ai eles querem poupar 250 milhões de euros num conjunto de prestações de natureza não contributiva, então vou multiplicar por quatro e dizer que vão cortar mil milhões de euros de prestações.” No mesmo raciocínio, salientou o Secretário-Geral do PS, face ao corte de 600 milhões nas pensões em pagamento poderíamos “dizer que querem cortar 2.400 milhões de euros”.

António Costa reiterou o compromisso de não fazer qualquer corte nas pensões, como a direita pretende. “Já dissemos e repetimos que não haverá qualquer corte de pensões. Nem das pensões de hoje, nem das pensões de amanhã”, sublinhou o candidato a primeiro-ministro.
(www.costa2015.pt)

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

PS de Penalva assinalou 2º aniversário da vitória nas autárquicas

O PS de Penalva do Castelo assinalou no dia 21 de setembro o segundo aniversário da vitória nas eleições autárquicas que levaram Francisco Carvalho à presidência da Câmara Municipal e que contou este ano com a presença dos candidatos a deputados do PS pelo círculo eleitoral de Viseu entre os quais a cabeça de lista Maria Manuel Leitão Marques.
Foi uma excelente tarde de convívio que juntou no largo de Santo Ildefonso, em Esmolfe, muitos socialistas e independentes do concelho, nomeadamente os autarcas da câmara, da assembleia e das juntas de freguesia, que estiveram na base de uma marcante vitória eleitoral socialista em terras de Penalva.
Lá estive a convite do Francisco Carvalho e dos socialistas de 'Castendo'.

domingo, 20 de setembro de 2015

Bispo de Viseu inaugurou casa Paroquial de Sátão

Ao final da tarde do dia 20 de setembro, domingo, o bispo de Viseu, Ilídio Leandro, inaugurou a casa paroquial de Sátão que foi alvo de excelentes obras de requalificação com capacidade para ser a casa do pároco de Sátão e de outros padres do arciprestado.
Na pessoa do padre José Cardoso parabéns a todos quantos viabilizaram a recuperação desta casa situada mesmo ao lado da Igreja de Santa Maria.

sábado, 19 de setembro de 2015

FALAR AQUILINO em Soutosa

"FALAR AQUILINO" foi o mote para uma sessão sobre o mestre, por ocasião das comemorações dos 130 anos do seu nascimento (13.09.1885 - 13.09.2015), que decorreu na fundação Aquilino Ribeiro (FAR), em Soutosa.
Lá estive, no final da tarde do dia 18 de setembro, num auditório a abarrotar, a ouvir os especialistas Paulo Neto e Alberto Correia e, a encerrar, a emoção do neto do mestre... Aquilino Machado.
Presentes os presidentes de Sernancelhe e Moimenta da Beira e muitos autarcas da região, mas sobretudo muitos aquilinianos...

Parabéns à FAR.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Campanha do PS passou por Mortágua

No dia 17 de setembro estive em Mortágua com o deputado José Junqueiro, a convite da presidente da concelhia Alcina Saraiva, mas onde também fez questão de estar o presidente da Assembleia Municipal, Afonso Abrantes, muitos outros autarcas locais, dirigentes socialistas e muitos mortaguenses socialistas e independentes.
Tratou-se de uma sessão de esclarecimento com os candidatos a deputados pelo círculo de Viseu que decorreu no centro cultural de Mortágua.
Maria Manuel Leitão Marques, cabeça de lista do PS pelo distrito, encerrou esta sessão que contou com a participação ativa de muitos socialistas e independentes do concelho que no período das perguntas deixaram muitas críticas ao governo e diversas questões que passaram pelas acessibilidades rodoferroviárias, educação, saúde e economia.