segunda-feira, 30 de junho de 2014

António Costa no distrito de Viseu com uma enchente | foi no complexo paroquial de Mangualde

O auditório do complexo paroquial de Mangualde revelou-se pequeno para receber todos quantos quiserem assistir, no dia 29 de junho, ao final da tarde, à apresentação das linhas programáticas da candidatura de António Costa.
Foram muitos os socialistas, vindos de todo o distrito, que ficaram de pé e no hall de entrada do auditório face à adesão maciça que se verificou nesta iniciativa.
Intervieram Marco Almeida, presidente da concelhia de Mangualde, Acácio Pinto, deputado do PS, João Azevedo, presidente da federação de Viseu, do PS, Marcos Perestrelo, deputado e presidente da FAUL e António Costa encerrou com uma intervenção programática, deixando evidenciadas as linhas do seu programa para uma década, com especificação das diversas e principais áreas sectoriais.
Foi ainda lida uma mensagem do lamecense Joaquim Sarmento, ele que foi deputado do PS entre 1995 e 2002.
Excelente intervenção de António Costa. Muito entusiasmo entre os presentes!
Aqui deixo o guião da minha intervenção:
Parafraseando o nosso camarada António Costa: Se isto não é o PS onde é que está o PS?
Obrigado Mangualde, obrigado distrito de Viseu por esta magnífica mobilização, por esta presença maciça.
Seja bem-vindo, António Costa, ao distrito de Viseu.
Estão aqui tantas e tantos socialistas dos 24 concelhos do distrito, muitos dirigentes socialistas, muitos autarcas, presidentes de câmara, presidentes de assembleia municipal, presidentes e autarcas de freguesia, vereadores e autarcas municipais, dirigentes associativos, gente da cultura e das artes, trabalhadores da função pública e do setor privado, pensionistas e reformados, mas todos unicamente aqui a exercer o seu pessoal e inalienável direito de participar livremente na vida política e partidária.
E sendo esta a primeira, iremos efetuar, doravante, outras iniciativas em todo o distrito, conjuntamente com todos, repito com todas e todos, que apoiam esta candidatura, militantes e simpatizantes, movimentos espontâneos: todos são bem-vindos a esta grande plataforma de cidadania e de política, que se irá ampliar, para mobiliar Portugal rumo à vitória nas eleições primárias.
Portanto, António Costa, cá o esperamos, cá o queremos, no distrito, em outras oportunidades.
Camaradas,
Se António Costa, decidiu travar este combate político no sentido de dar mais força ao nosso partido e apresentar uma alternativa mais sólida e credível aos portugueses, cabe-nos agora a nós, a todos nós que acreditamos que ele é o socialista em melhores condições para travar este combate com a direita, fazer tudo aquilo que estiver ao nosso alcance.
Na história do PS, de que muito nos orgulhamos e que não renegamos, sempre soubemos ultrapassar os nossos problemas internos e sempre o fizemos com elevação, com nobreza e com respeito. É que nós acreditamos nos valores da liberdade, da igualdade e da fraternidade.
E é imbuídos deste espírito, destes valores, que todos temos que estar disponíveis, todos estaremos disponíveis, para mobilizar os nossos concelhos, dando corpo a este projeto de esperança para os portugueses e para Portugal.
Um projeto verdadeiramente alternativo, que faça do interior uma centralidade, que faça da educação uma via para o desenvolvimento, que devolva à saúde a sua missão de serviço nacional, que olhe para os recursos como elementos ao serviço da criação de riqueza e emprego, que dê transversalidade às políticas ambientais e do território, que não amarre a cultura e as artes, que promova políticas públicas de integração social, e que promova a acessibilidade à justiça.
António Costa, aqui estamos, pois, para fazermos conjuntamente este caminho, não contra ninguém, mas pelo PS, por Portugal.
Termino com Sophia, dois dias após se terem assinalado os 800 anos da língua portuguesa, e a três dias da trasladação do seu corpo para o panteão nacional:

E em frente desta gente
Ignorada e pisada
Como a pedra do chão
E mais do que a pedra
Humilhada e calcada

Meu canto se renova
E recomeço a busca
De um país liberto
De uma vida limpa
E de um tempo justo.

Viva o PS.
Força António Costa.

domingo, 29 de junho de 2014

"Aforamento da alma", um livro de Joaquim Rodrigues apresentado em Penalva do Castelo

A biblioteca municipal de Penalva do Castelo foi palco, no dia 28 de junho, da apresentação do último livro de poesia de Joaquim Rodrigues, um poeta, natural do concelho de Penalva, da freguesia de Esmolfe, e a residir há muitos anos no concelho de Tarouca, mais concretamente em São João de Tarouca.
Joaquim Rodrigues, na oportunidade, deixou palavras de grande emoção e de uma grande alegria pelo facto de estar a regressar à sua terra.
O livro editado pelas edições sem título, uma chancela das edições esgotadas, foi apresentado por Acácio Pinto, autor do prefácio e contou com a presença do presidente da câmara de Penalva do Castelo, Francisco Carvalho que disse que as portas da biblioteca estão sempre abertas em prol e ao serviço da cultura.
Em representação da editora esteve presente a diretora, Teresa Adão.
(Fotos: Biblioteca P.Castelo - Manuel Luís Ferreira)

sábado, 28 de junho de 2014

Plataforma educativa sobre cidadania

A "Geek station", uma empresa de produção de conteúdos e multimédia, sediada em Viseu, concebeu uma plataforma educativa sobre cidadania cujo público alvo são os alunos do 3º e 4º anos do 1º ciclo do ensino básico.
Tendo reunido, a seu pedido, com os responsáveis desta empresa, Paulo Nabais, Sofia Pires e Cristina Varandas, pude tomar conhecimento dos objetivos deste projeto, que, nascendo da iniciativa privada e do dinamismo empresarial de uma equipa jovem, apresenta uma excelente resposta que pode ser utilizada pelos poderes privados e públicos, que neste caso podem ser quer da administração central, quer da administração local.
É que a cidadania, apesar de ser uma daquelas áreas que este governo desvalorizou através de uma precipitada revisão da estrutura curricular, impõe-se que seja desenvolvida em permanência nas escolas com o objetivo de se reforçarem os valores da responsabilidade, do respeito e da participação de todos na construção de uma sociedade mais justa, solidária, livre e democrática.
Excelente iniciativa.
Parabéns aos promotores.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

VÊ PORTUGAL: 1º Fórum de turismo interno

Decorreu nos dias 26 e 27 de junho, em Viseu, no hotel Montebelo, o 1º Fórum de turismo interno - VÊ PORTUGAL, numa iniciativa do Turismo Centro de Portugal.
Esta iniciativa visou trazer para a ribalta a discussão no setor sobre o mercado interno.
Foi neste contexto que o ministro Poiares Maduro esteve em Viseu no dia 26, num jantar debate, e o secretário de estado do turismo, Adolfo Mesquita Nunes, esteve na abertura deste fórum no dia 27 de junho, onde, para além do secretário de estado usaram da palavra o presidente da câmara de Viseu, Almeida Henriques e o presidente do turismo Centro de Portugal, Pedro Machado.
Os painéis de oradores foram diversificados e de elevada qualidade, juntando agentes privados e públicos, bem como investigadores.
Lá estive no dia 27, durante a manhã, em representação do grupo parlamentar do PS.

Assembleia municipal de Sátão aprovou, por unanimidade, moção sobre nova ligação Sátão-Viseu

A assembleia municipal de Sátão, na sua reunião do dia 26 de junho, aprovou uma moção apresentada pelos deputados do PS, por unanimidade, assumindo-se, depois da votação, como uma moção de toda a assembleia.

A moção aprovada versa a temática da variante à EN 229, entre Sátão e Viseu, exigindo-se uma urgente calendarização da execução desta nova via, que já está há demasiado tempo no papel.
Esta moção vai agora ser enviada ao ministério da economia, aos grupos parlamentares da AR e à CIM Viseu Dão Lafões.
Eis o teor da moção:
Uma nova ligação Sátão-Viseu é um dos anseios mais transversais das gentes do concelho de Sátão e de muitos outros concelhos adjacentes, uma vez que a EN 229, neste troço, se encontra saturada há muitos anos, atingindo cerca de 10.000 veículos por dia.
Esta é uma questão antiga e que já atravessou vários governos. Os debates estão feitos, as posições, de todos, são conhecidas e impõe-se, agora, por parte dos poderes públicos, atuações consequentes no sentido da operacionalização deste anseio com a máxima urgência.
No caso concreto do concelho do Sátão esta via de ligação a Viseu e à A 25 é estruturante para um projeto de desenvolvimento que todos almejamos. Um projeto que possa alavancar as áreas empresariais, que estimule os empresários na criação de riqueza e de emprego.
Considerando, pois, o que precede e o facto de o estudo prévio já ter sido submetido a avaliação de impacto ambiental, com todo o procedimento já concluído há pelo menos dois anos no que concerne a esta matéria, a Assembleia Municipal de Sátão, reunida no dia 26 de junho, decidiu:
1. Manifestar o seu desagrado pelo facto de não se conhecer nenhum calendário de execução da variante à EN 229 Sátão-Viseu;
2. Exigir do governo uma decisão, urgente, calendarizada sobre a construção desta importante via de proximidade, crucial para o desenvolvimento de toda esta sub-região.
Esta moção deverá ser enviada:
- Ministério da economia;
- Grupos parlamentares da AR

- CIM Viseu-Dão-Lafões
Sátão, 26 de junho de 2014

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Vídeo com resposta ao CDS sobre encerramento de escolas do 1º ciclo


Aqui fica o vídeo em resposta à deputada do CDS/PP, Inês Teotónio Pereira, relativamente à minha intervenção quanto ao encerramento de escolas do 1º ciclo.
Abordo na resposta a estratégia do governo do PS que construiu até 2011 343 centros educativos para onde foram os alunos das escolas então encerradas. Hoje nada! Nenhum plano de construção e de requalificação das escolas que vão receber os alunos.
Abordo ainda na resposta o autarca de Viseu, de Arouca e o caso do concelho de Cinfães.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Intervenção no plenário da AR sobre encerramento de escolas do 1º ciclo

Intervenção no plenário no âmbito do debate do PJL 624/XII/3ª do PCP, neste caso com enfoque na vertente do encerramento de 311 escolas do 1º ciclo.
Guião da intervenção:
Nuno Crato demorou mas finalmente divulgou todos os nomes das mais de trezentas escolas que decidiu extinguir no próximo ano letivo. É uma longa lista, que afeta todo o território, mas de forma mais intensa os distritos do interior.
E há, desde já, três questões que devemos colocar a este propósito:
Uma quanto ao conteúdo, outra quanto ao processo e outra quanto ao timing.
1. Quanto ao conteúdo: Como é possível encerrar escolas sem respeitar as particularidades dos territórios e sem ter apresentado previamente um plano de construção / requalificação de equipamentos educativos?
2. Quanto ao processo: Como é possível desenvolver um processo de reordenamento da rede sem que haja um diálogo sério com as autarquias e com os pais, quando às autarquias cabe, como se sabe, organizar os transportes escolares, por exemplo?
3. Quanto ao timing: Então é a escassos dias do arranque do ano letivo, e em pleno período da organização do ano 2014/2015, que se divulga a listagem das escolas a encerrar?
Três perguntas cujas respostas são conhecidas de todos. A todas a resposta é não!
Não se encerram escolas sem melhorar previamente aquelas que vão receber os alunos.
Não se encerram escolas sem que haja um diálogo/negociação com a ANMP e com os pais, agentes centrais deste processo, que no caso das autarquias têm a responsabilidade da organização dos transportes escolares.
Não é em pleno período de organização do próximo ano letivo que se efetua este processo.
O país precisa de requalificar e modernizar a sua rede escolar?
Precisa, mas o governo o que é que oferece? Escolas para encerrar.
E este não é o caminho. Este não pode ser o rumo. O de implementar na área da educação um modelo mercantilista, um modelo centralista de decisão, sem qualquer respeito pela negociação e pelas cartas educativas municipais.
É que reordenar a rede é uma tarefa bem maior e bem mais nobre do que uma mera conta de subtrair.
Um reordenamento da rede tem que ser visto como uma oportunidade de melhorar a oferta pública de educação sempre em resposta ao superior desígnio da promoção da igualdade de oportunidades.
Ou seja uma verdadeira estratégia para a rede escolar pressupunha muito mais do que esta mera operação matemática de encerramento de escolas.

terça-feira, 24 de junho de 2014

António Costa no distrito de Viseu | 29 junho | 18.30 | complexo paroquial Mangualde

António Costa deslocar-se-á ao distrito de Viseu para apresentar as linhas programáticas da sua candidatura a primeiro-ministro e a secretário-geral do PS.
Esta sessão decorrerá no dia 29 de junho, pelas 18.30 horas, no auditório do complexo paroquial de Mangualde e é aberta a todos quantos queiram conhecer as suas propostas.
Esta iniciativa enquadra-se num roteiro que António Costa está a levar a cabo em todo o país e que tem contado com a adesão de muitos e muitos socialistas, entre militantes e simpatizantes.
Estão todos convidados!

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Ministro da cultura do Irão na Assembleia da República

No dia 18 de junho o ministro da cultura do Irão deslocou-se à Assembleia da República, onde foi recebido pela comissão de educação ciência e cultura.
Nesta audiência, em que participei, ficou bem evidenciada a vontade por parte do ministro da república islâmica do Irão, Ali Jannati, de aprofundar as relações com Portugal no âmbito da cultura, da ciência, das relações entre universidades.
A delegação iraniana foi composta por: S.E. o Ministro Ali Jannati; S.E. o Embaixador Hossein Gharibi; Senhor Dr. Ghahrahmani, do MNE do Irão; Conselheiro Saeed Lashkari; Senhora Amnianpour (tradutora); Senhor Hadjpour (correspondente da Televisão IRIB).
Da comissão de educação estiveram representados os grupos parlamentares do PS, PSD e CDS.