domingo, 31 de março de 2013

Muita poesia, com música à mistura, na apresentação do livro Sobre Viver

Um excelente momento de poesia e de música aquele que se viveu no final da tarde de 30 de março, na FNAC de Viseu, a propósito da apresentação do último livro de poesia, "Sobre Viver", de Miguel Almeida, editado pela Esfera do caos e que no dia anterior havia sido apresentado, também, na casa da Cultura, de Sátão.
A apresentação deste livro de poesia, na FNAC, esteve por conta de Sérgio Sá Marques e de Acácio Pinto que deixaram aos presentes, que ali acorreram em grande número, a sua leitura da obra.
Antes, a Helena Lopes tinha feito a apresentação do outro livro do mesmo autor, "Aprenducar com a mãe natureza", também em apresentação.
No final muitos dos presentes brindaram a plateia com a declamação de poemas do livro e, para além disso, os presentes puderam assistir a dois momentos musicais de elevado gabarito. Um proporcionado pela Carla Linhares (voz ) e pelo Carlos Viçoso (guitarra clássica) que em ritmo de fado apresentaram uma excelente versão de um dos poemas do livro e o outro em ritmo de balada de Coimbra proporcionado por Jrtrovador Zeal - José Alberto Rodrigues (voz e guitarra clássica). Dois bons recortes musicais quer pelas vozes, ambas límpidas e bem timbradas para os respetivos estilos, e pelas guitarras clássicas, a do Carlos Viçoso, em misto de acompanhamento e solo, em simultâneo (excelente estilo inovatório), e a do Jrtrovador em bom dedilhado convencional. Também na apresentação de Sátão, no dia anterior, tinha havido muita declamação e o Luís Giroto (voz e guitarra clássica), de Rãs, interpretou um dos poemas do livro que ele próprio musicou.
No final efetuou-se uma sessão de autógrafos.
Parabéns a todos.

sábado, 30 de março de 2013

Apresentação do livro "Sobre Viver" na FNAC | 30 março | 17 horas

No dia 30 de março, às 17 horas, na FNAC, no palácio do gelo, em Viseu, a convite do autor, Miguel Almeida, serei um dos apresentadores do livro de poesia "Sobre Viver", editado pela Esfera do caos e que conta com prefácio de Joaquim Pessoa.
O autor, professor de filosofia no concelho de Almada, é natural de Rãs, concelho de Sátão e traz agora à estampa o seu quarto livro de poesia, depois de "O templo da glória literária", "Ser como tu" e "O lugar das coisas".
Nesta apresentação o autor conta com a colaboração especial da fadista Carla Linhares, acompanhada pelo Carlos Viçoso, que interpretarão um poema do livro, bem como Luís Giroto que igualmente interpretará um outro poema do livro, por si musicado, para além de diversas declamações de poemas.


sexta-feira, 29 de março de 2013

Delegação de Mangualde da Ordem dos Advogados na Assembleia da República

Por iniciativa da Ordem dos Advogados de Mangualde, presidida pelo José Miguel Marques, deslocou-se à Assembleia da República uma delegação de causídicos de Mangualde e da região.
No Palácio de São Bento contactaram com deputados de vários partidos e visitaram os principais espaços do palácio de são Bento, nomeadamente a biblioteca, os passos perdidos, a sala do senado, o salão nobre e a escadaria principal.
No final assistiram ao debate que nesse dia estava a decorrer no plenário e que versava sobre a questão das rendas, uma iniciativa do PS para a alteração da lei que recentemente tinha sido aprovada pela maioria e que tem estado debaixo de grande contestação sobretudo nas grandes áreas urbanas.
Por parte do PS os advogados contactaram com os deputados eleitos pelo círculo de Viseu, Acácio Pinto, Elza Pais e José Junqueiro.


quinta-feira, 28 de março de 2013

Intervenção no plenário sobre alteração das políticas educativas (c/Vídeo)


Intervenção no plenário no dia 27 de março no âmbito da petição nº 152/XII/1 da FENPROF, sobre a "alteração das políticas educativas e maior investimento na educação".
A intervenção foi feita com base no seguinte guião:
«Uma saudação, em nome do PS, para a FENPROF, promotora desta petição e para cada um dos mais de nove mil signatários.
Estamos de acordo: “defender a educação é apostar no futuro” e tanto mais o é quanto melhor o saibamos fazer em tempos de crise.
Esta, porém, não é a perspetiva das bancadas do PSD, do CDS e do Governo.
A via que nos oferecem é a da fundação ou da refundação de uma escola pública pobre para pobres.
É a do desrespeito e da agressão aos professores. Depois do ministro garantir, há um mês, que a mobilidade especial não se aplicava aos docentes e cito “não somos irresponsáveis e não despediremos professores e funcionários” vem agora dizer que a mobilidade especial vai abranger os docentes e que vai reduzir de 23 para 7 (ou agora para 10) os quadros de zona pedagógica.
Ou seja, trata mal os professores, fere a sua dignidade, atira-os para horários zero e para o desemprego e prepara, mesmo, um despedimento de milhares de docentes.
E, portanto, não há dúvida de que este governo ficará conhecido como aquele que desferiu o maior ataque aos professores e ao serviço público de educação, cortando por exemplo só na escolaridade obrigatória cerca de 1.5 mil milhões de euros, em dois anos, mas se referirmos a educação em geral o corte ascende a mais de 2.5 mil milhões.
E sabem qual era o valor que constava no memorando inicial para estes dois anos?
Respondo: 370 milhões. 195 + 175 milhões.
Senhoras e senhores deputados
Os ataques estão aí e vão todos no mesmo sentido:
- Estão-se a implementar metas curriculares sem racionalidade;
- Destruíram-se as novas oportunidades;
- Vão-se colocar alunos do 4º ano como saltimbancos para fazerem exames que em mais nenhum país europeu acontecem;
- Apregoa-se a autonomia nas escolas e pratica-se o centralismo reforçando-se até, recentemente, o ME com mais uma direção geral;
- Enche-se a boca com o ensino dual e vocacional, numa confusão de conceitos, mas com o objetivo de promover uma seleção precoce dos alunos;
- Deixam-se os alunos com necessidades educativas sem apoio efetivo e atrasam-se os pagamentos às instituições.
- E vão ao ponto de se enganarem na aritmética do número de alunos subtraindo 200 mil para justificar as suas opções.
Ou seja este governo não pensa a educação como um elemento central na luta pela igualdade de oportunidades, mas antes como uma plataforma de seletividade e reprodutora de exclusão social.
Esse não é e não será o caminho do PS.
Para nós a escola terá que ser o garante da igualdade de oportunidades independentemente da residência ou dos rendimentos das famílias.
Termino para dizer que Nuno Crato e este Governo estão, efetivamente, fora do prazo de validade pois teimam em continuar a não cumprir o que nunca cumpriram desde que começaram.
É urgente a alteração das políticas.»

[opinião] A extinção de freguesias e a reorganização dos cadernos eleitorais


Em resultado da Lei n.º 11-A/2013, de 28 de Janeiro, relativa à reorganização administrativa do território das freguesias, que veio dar cumprimento à obrigação de reorganização administrativa constante da Lei n.º 22/2012, de 30 de Maio (vulgo, lei de extinção de freguesias) levantam-se alguns problemas que estão longe de estar resolvidos ou sequer, neste momento, acautelados.
Uma das implicações é a prevista no artigo 6.º da mesma Lei n.º 11-A/2013, alusivo à transmissão global de direitos e deveres, nos termos do qual “O Governo regula a possibilidade de os interessados nascidos antes da data de entrada em vigor da presente lei solicitarem a manutenção no registo civil da denominação da freguesia onde nasceram” com todas as consequências que daí advêm.
Foi neste contexto que o Governo criou uma equipa de acompanhamento para os assuntos da reorganização administrativa territorial autárquica (EARATA) que visa realizar os trabalhos de atualização e regular o funcionamento dos atos eleitorais, adaptando-os à nova realidade administrativa.
E isto porque, como se sabe, existe uma automatização de inscrição dos cidadãos suportada pela informação de freguesia e morada de residência legal que é transmitida pelos sistemas de identificação civis e militares.
Ora, nas Eleições Autárquicas de 2013 – e nos subsequentes atos eleitorais – a organização do universo eleitoral será diferente do verificado nos últimos atos eleitorais e referendários, em virtude e como consequência do processo de reorganização administrativa em curso, exigindo-se, portanto, uma solução em tempo, que não traga graves problemas para a operacionalização dos processos eleitorais.
Diga-se, aliás, que esta já tinha sido uma preocupação manifestada pelo Presidente da República aquando da aprovação da lei de “extinção de freguesias” protagonizada por esta maioria do PSD e do CDS.
Importa, portanto, que o governo nesta importante matéria para o regular funcionamento das instituições autárquicas, não se esqueça de cumprir os prazos e não se esqueça de dar todas as possibilidades de os cidadãos das freguesias agregadas (extintas, digo eu) poderem ter acesso identitário à sua freguesia de nascimento e que se opere, igualmente, todo o processo de constituição das novas unidades de base para fins eleitorais.
A informática, com certeza, que dará uma grande ajuda em toda esta matéria, mas há todo um trabalho de conceptualização a montante que tem que ser feito. Foi nesse sentido que eu e outros deputados do PS, ligados à comissão do poder local, colocámos formalmente estas e outras preocupações ao governo, esperando-se as necessárias e urgentes diligências.
Acácio Pinto
in Jornal do Douro

quarta-feira, 27 de março de 2013

Pergunta ao ministro Nuno Crato: quais as escolas a requalificar em 2013 no distrito?


Deixo o vídeo com a pergunta que efetuei no dia 26 de março ao ministro da Educação, durante a audição que ocorreu na comissão de Educação da AR, a propósito da requalificação de escolas no distrito de Viseu em 2013.
A resposta do ministro foi nula. Disse que Resende e Oliveira de Frades estão em fase de conclusão e que a Escola Latino Coelho e S.P.Sul estão suspensas (VER AQUI RESPOSTA).
Não disse mais nada quanto às questões levantadas.
Guião da minha intervenção, para a qual só tinha 1' 30'':
Vou-me prevalecer, hoje, do facto de ser eleito pelo círculo eleitoral de Viseu para lhe falar da requalificação das escolas em 2013 no distrito de Viseu.
E faço isto aqui porque em 29 denovembro de 2012, após a aprovação do OE 2013, lhe ter colocado uma pergunta que até hoje, quatro meses após, não teve resposta de Vª Exª, quando o regimento da AR dá ao governo 30 dias para responder (artº 229º, nº3).
Não fica bem ao ministro da Educação este desrespeito da AR pois nem respondeu nem justificou a não resposta.
Vamos aos factos e pode redimir-se e responder aqui hoje à pergunta.
No distrito de Viseu no início de 2011 havia um conjunto de escolas que estavam com projetos concluídos ou em vias de terem uma solução (casos, por exemplo, das escolas de S.P.Sul, Latino Coelho-Lamego, Moimenta da Beira, Viriato e Grão Vasco e Mangualde, para além de O.Frades que tem avanços e recuos).
E a pergunta era e é: Quais as escolas do distrito de Viseu que irão receber obras de requalificação durante o ano de 2013 e qual o cronograma de execução?
Para ter a consciência da urgência da requalificação deixo-lhe a título de exemplo o que se passa em S.P.Sul. O ministério da Educação alienou a EBI à câmara municipal uma vez que estavam previstas obras de requalificação e ampliação da Secundária para receber os alunos pelo que esta escola nem ao plano tecnológico teve acesso. Como as obras estão suspensas os mais de 400 alunos da EBI estão em instalações municipais por tolerância, há dois anos, da câmara municipal o que não nos parece adequado.
E já agora remeta-nos a listagem, a nível nacional, das escolas a requalificar em 2013.

Elza Pais homenageada pela embaixadora de Marrocos

No dia 26 de março a embaixadora do Reino de Marrocos, Karima Benyach, homenageou, na sua residência oficial, no âmbito do dia internacional da mulher, um conjunto de mulheres de que destaco, naturalmente, a deputada do PS eleita pelo círculo eleitoral de Viseu, Elza Pais e as deputadas do PS, Maria de Belém Roseira, e Helena André, mas também a Margarida Martins, presidente da associação Abraço e a Dalila Araújo, que foi secretária de estado no governo de José Sócrates.
Na ocasião os deputados do PS Acácio Pinto e Rui Santos, entre muitos outros convidados quiseram associar-se e testemunhar esta iniciativa.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Deputados do PS questionaram o Governo sobre variante a Penalva do Castelo

Foto: www.casadainsua.pt
Pergunta que os deputados do PS eleitos por Viseu colocaram ao ministro da economia e do emprego relativamente à execução da variante a Penalva do Castelo:
«Ex. ma Sr.ª Presidente da Assembleia da República
A construção de uma variante à vila de Penalva do Castelo é uma justa expectativa das populações do concelhocom a finadade de a mesma ser um elemento estruturante para a fluidez do trânsito e como uma mais-valia para as populações e empresas que veriam a sua ligação a Mangualde (A25) e ao Sátão muito mais facilitada.
Iniciou-se, mesmo, o desenvolvimento de estudos e de projetos com vista à realização de tal acessibilidade que, genericamente, se desenvolveria entre a Quinta da Silva (Penalva do Castelo) e Rio de Moinhos (Sátão) numa distância de, aproximadamente, seis quilómetros.
Este assunto é transversal a todas as forças vivas do concelho e tem merecideo diligências diversas dos autarcas de Penalva do Castelo e mesmo dos deputados eleitos pelo PSD no círculo eleitoral de Viseu, alguns destes, hoje, no governo.
Tendo, portanto, por base a unanimidade existente em torno desta obra e estando-se a assistir nos últimos tempos a um surto de declarações de governantes sobre investimentos muito vultosos do governo no país, em acessibilidades e infraestruturas rodoviárias, ferroviárias e marítimas, e atendendo ainda ao facto de fazer todo o sentido investir no interior, como tem sido salientado nos mais diversos estudos sobre sustentabilidade e coesão territorial, os deputados signatários, eleitos nas listas do PS pelo círculo eleitoral de Viseu, vêm através de vossa excelência, senhora presidente, solicitar ao ministro da economia e do emprego, o viseense Álvaro Santos Pereira, resposta às seguintes questões:
1. Confere o governo prioridade à variante de Penalva do Castelo, no contexto de investimentos que têm vindo a ser anunciados em acessibilidades e infraestruturas?
2. Em caso afirmativo:
2.1. Quais os estudos/diligências já desenvolvidas ou a desenvolver com vista à construção da variante de Penalva do Castelo?
2.2. Qual o cronograma que o governo tem para o lançamento e execução de tal obra?
Palácio de São Bento, quinta-feira, 21 de Março de 2013
Deputado(a)s
ACÁCIO PINTO(PS)
Deputado(a)s
JOSÉ JUNQUEIRO(PS)
ELZA PAIS(PS)»

Inauguração do canil intermunicipal Sátão-Penalva Castelo-Aguiar Beira

Situado em Rãs, foi inaugurado no dia 24 de março o canil/gatil intermunicipal, infraestrutura que servirá os municípios de Sátão, Penalva do Castelo e Aguiar da Beira.
Nesta cerimónia, que foi presidida pelo secretário de estado da alimentação e da investigação agroalimentar, Nuno Vieira e Brito, estiveram presentes os presidentes das câmaras de Sátão e de Aguiar da Beira e o vice-presidente de Penalva do Castelo, os presidentes das assembleias de Sátão e Aguiar da Beira, vereadores, membros das assembleias municipais e presidentes das juntas de freguesia, para além de representantes de diversas instituições concelhias.
Esta infraestrutura constituída por três pavilhões, está, igualmente, dotada com uma incineradora de animais, podendo, também, estabelecer protocolos com empresas de pecuária da região (aves ou coelhos) para a incineração de animais mortos.
Lá estive como deputado do PS eleito pelo círculo de Viseu, com a particularidade de ser natural e residente no concelho de Sátão.
O investimento nesta infraestrutura foi de cerca de 160 mil euros comparticipados em 75% pela ADD através do PRODER.




domingo, 24 de março de 2013

São Pedro Sul - Conferência sobre o poder local e a criação de emprego

A candidatura do PS à câmara de São Pedro do Sul, liderada pelo Vítor Figueiredo, está a promover um ambicioso ciclo de conferências sobre importantes temas para o desenvolvimento local e a promoção de coesão territorial.
O tema da conferência realizada no dia 23 de março, no auditório da Misericórdia de São Pedro do Sul, foi "Poder local: que papel na criação de emprego" e teve como oradores convidados o deputado do PS António Braga, o presidente da câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino e a docente universitária, Glória Rebelo, tendo a moderação estado a cargo da Conceição Matos, técnica do IEFP.
O auditório encheu com pessoas do concelhos para assistir a esta magnífica conferência, que contou com três excelentes intervenções, dos oradores convidados, todos eles com ligações ao concelho de São Pedro do Sul.
Lá estive a convite do Vítor Figueiredo, tendo aproveitado a oportunidade para deixar uma saudação aos conferencistas e a todos os presentes, com um destaque especial para o excelente dinamismo e trabalho que está a ser desenvolvido pelo candidato e pela sua equipa e que permitirá, em Outubro, uma vitória socialista na autarquia.

sábado, 23 de março de 2013

Apresentação do livro "Portugal, portugueses: uma identidade nacional"

José Manuel Sobral apresentou em Viseu, o seu mais recente livro Portugal, portugueses: uma identidade nacional, uma edição da fundação Francisco Manuel dos Santos.
Esta obra tem como objeto o estudo da formação e reprodução da identidade nacional portuguesa. O autor defende que a melhor forma de analisar identidades coletivas, como as nacionais, consiste no estabelecimento da sua genealogia, como se pode ler na contracapa.
Um dos impulsionadores para que esta apresentação ocorresse em Viseu foi Eduardo Pinto, amigo e colega do e que nos anos 60 teve um grupo musical em Viseu, "os tubarões", que contou com a colaboração do jornal do Centro para a divulgação.
José Manuel Sobral é viseense, licenciado em História e doutorado em Antropologia.
A apresentação ocorreu no dia 22 de março, à noite, no Hotel Montebelo, ante a presença de amigos, familiares e viseenses interessados nestas temáticas.
Lá estive e confesso o enorme prazer que senti com magnífica lição proferida pelo autor sobre a problemática da identidade nacional e sobre a sua, que foi forjada em Viseu e a partir de Viseu.